Gestor alegou que não houve má fé e que recebeu a vacina para estimular a população a fazer o mesmo.

O prefeito de Itabi, Júnior de Amynthas (DEM), de 46 anos, indiciado por furar a fila da vacinação contra a Covid-19, prestou depoimento ao Ministério Público nessa terça-feira (16). A audiência faz parte de um inquérito que investiga o caso.

O gestor foi ouvido pelo promotor do município, Antônio Fernandes, e alegou que não houve má fé e que recebeu a vacina para estimular a população a fazer o mesmo.

Júnior de Amynthas (DEM) recebendo vacina

O fato ocorreu no dia 19 de janeiro, após o município receber 31 doses para a primeira fase da vacinação. Júnior de Amynthas não fazia parte do grupo da fase inicial, que na data abrangia profissionais da saúde que atuam na linha de frente da Covid-19, idosos institucionalizados e indígenas aldeados.

Nas redes sociais, o prefeito chegou a justificar o ato como “uma forma de incentivar a população para que tomasse a vacina” e que “é facultado aos estados e municípios adequar a vacinação à realidade local”. A atitude dividiu opiniões na cidade.

Prefeito publicou nota em rede social justificando a atitude — Foto: Reprodução/Intagram

Após a ocorrência, a Procuradoria Geral do Estado apresentou representação no Ministério Público para apuração de ilícito penal e ato de improbidade administrativa. Já o Ministério Público Federal em Sergipe notificou o prefeito do município e cobrou explicações sobre a situação.

Fases do Plano de Vacinação em Sergipe:

1ª fase

  • Trabalhadores da saúde
  • Pessoas com 60+ institucionalizado
  • Indígenas aldeados

2ª fase

  • Pessoas de 80 e mais
  • Pessoas de 75 a 79 anos
  • Pessoas de 70 a 74 anos
  • Pessoas de 65 a 69 anos
  • Pessoas de 60 a 64 anos

3ª fase

  • Pessoas com comorbidades

4ª fase

  • Professores
  • Profissionais das forças de segurança e salvamentos
  • Pessoas privadas de liberdades
  • Funcionários do sistema prisional

Por G1 Sergipe

Deixe uma resposta