Depama apreende tucano mantido em gaiola e filhotes abandonados em residências na Grande Aracaju

Photo of author

Por Isto é Aracaju

O tucano foi resgatado e entregue ao Ibama, já os filhotes de animais domésticos encontram-se sob responsabilidade da unidade policial

A Delegacia de Proteção Animal e Meio Ambiente (Depama) apreendeu um tucano que era mantido em uma gaiola no bairro Bugio, na Zona Norte de Aracaju. O animal foi resgatado e entregue ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O proprietário do animal foi identificado e foi feito o procedimento cabível ao caso. Ainda no mesmo dia, dois filhotes de animais domésticos foram encontrados em situação de maus-tratos – abandonados, com sede e fome – em uma casa também na Grande Aracaju. Os casos ocorreram nessa quarta-feira (4).

De acordo com a delegada Georlize Teles, o tucano foi encontrado após denúncias recebidas pela unidade policial. “Fizemos algumas investigações, levantamentos e tivemos a certeza de que o animal estava realmente na casa, conforme a denúncia. Como era um ave silvestre, fizemos a incursão na casa e conseguimos apreender e resgatar diversos animais, de várias espécies. O Ibama recolheu os animais, que foram levados para cuidados, serão tratados e passarão por quarentena e pelos demais procedimentos”, detalhou.

Já em outro local, a equipe da Depama constatou a veracidade de outra denúncia. “Recebemos a informação de que dois filhotes estavam presos no fundo de uma casa e tinham sido abandonados pelos tutores, que não os alimentavam e deixavam sem água. Fizemos a investigação e constatamos que realmente eles não apareciam na casa. Os animais apresentavam características de maus-tratos, como fome e sede. Os animais encontram-se sob responsabilidade da delegacia”, revelou a delegada.

Ainda conforme Georlize Teles, na apuração do caso envolvendo os filhotes mantidos em condições de maus-tratos, havia a informação de que uma pessoa estaria aparecendo eventualmente para os cuidados. Mas a informação não condizia com o que foi identificado pelas investigações. “Havia uma contradição no primeiro momento de que, eventualmente, uma moça aparecia e cuidava dos animais, mas não verificamos isso. Em razão disso, entramos na residência e retiramos os dois animais que se encontravam abandonados”, concluiu.

Deixe um comentário